Seguidores

6 de junho de 2010

TRISTE LOUCURA




Triste Loucura

Nesses olhos adormecidos, à madrugada e há luares,
em cores de prata, sombras e numa estrada,
cada rosa enche-te em labaredas de perfumes
em fios dourados, tecidos no manto de flores!

Já foi canção de rio, como a corrente que passa
numa claridade leve, de àguas doces e frescas...
foste simples, como o Sol que bate na vidraça,
e como a neve que derrete das montanhas brancas!

Hoje, sem pulsar,quase sem brilho uma tarde cai...
a tua mão é apenas um punhado apertado de céu,
um barco sem rumo que ao vento se vai!

Triste, perdidos estão os teus cinzentos aneis...
que em mares de dor se aterram e naufragam
onde junto a ti, os teus fantasmas se fazem reis!!!

(ELLY)

4 comentários:

  1. Muito lindo este teu poema, Elly, apenas um pouco tristonho, mas a vida também se veste de tristes loucuras, né?
    Pois está na hora de mudar de traje, segurar o barco e aproveitar os ventos de loucura, que estão aí para te trazer momentos de alegria contagiante!!!
    Beijinho e parabéns, minha amiga!!!

    ResponderEliminar
  2. Oi Aninha. Pois é mesmo um poema triste... Mas felizmente não é o meu barco que se afunda!!! Mas a minha sensibilidade ultrapassa a minha realidade e foca-se muitas vezes nas catástrofes dos nossos "amigos"... tu entendes!!!
    Um beijinho e obrigado Ana mu@@@

    ResponderEliminar
  3. Pesado o leme, depois de ler o texto e os comentários de minhas belas amigas, chego à conclusão de que a minha estimada amiga está a dar mais atenção aos outros do que a si própria...
    Embora o tema seja sobejamente conhecido, 'Marés Vivas', nunca é sinónimo de desastres, a renovação vem também com as mesmas.

    Lindo texto para quem aprecia os verdadeiros significados dos rumos da vida quatodiana dos nossos dias atribulados.

    Beijinhos a ambas.

    ResponderEliminar
  4. Amigo Martinho, por vezes o barco tomba porque a falta de consciênica por parte daqueles que levam o leme, é carregada de fantasmas que os levam a loucura de acções.... e como humana que sou, impressiona-me assistir ao naufrágio de um semelhante do qual estive tanto perto! E que apesar de tudo, perfiro lembrar o bem, e o que de bom aprendi...
    Um beijinho amigo Martinho @@@@

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita e seu comentário, volte sempre. Beijinhos