Seguidores

26 de novembro de 2010

Amigos são Flores e Poemas

                                                  Amigos São Flores e Poemas



Amigos são flores...
São flores plantadas ao longo do nosso caminho para que saibamos encontrar
primavera o ano todo.
Quando o outono chega, cheio de beleza e melancolia, os amigos estão
presentes nos trazendo alegria.
E, quando o inverno vem frio e escuro, trazendo saudades e noites longas, os amigos
nos trazem calor e luz com o brilho da sua presença.
Essas flores belas perfumam nossa existência e nos fazem ver que não
estamos sozinhos.
Se amigos são flores que duram um ano ou um dia não faz diferença, porque o
importante são as marcas que deixam nas nossas vidas.
São as horas compartilhadas, horas de carinho, horas de amor e cuidado.
Um amigo que se doa sem esperar um retorno, que se entrega pelo prazer de
ver a felicidade do outro, é uma flor que merece cuidados especiais; um ser
grande e importante que nos emociona só pelo fato de existir.
É alguém que consegue chegar até nossa alma... É um presente de Deus.
Se todo o mundo nos virar as costas e, no meio desse mundo, uma flor, nem que
seja uma única flor de amizade nascer em nosso jardim, então toda a vida já terá
valido a pena.
Amigos são poemas...
Os verdadeiros amigos são a poesia da vida. Eles enchem nossos dias de cores,
rimas e risos, e nos seguram a mão quando caminhar parece difícil.
Eles nos mostram que mesmo em dias nublados o sol está no mesmo lugar,
e nos ensinam que a chuva pode ser uma canção de ninar nas noites solitárias e
vazias.
Um amigo é alguém que nunca nos deixa só, mesmo quando não pode estar
presente, pois sabemos que um pedacinho do seu coração está conosco.
Um amigo é alguém que pensa na gente mesmo estando separado por mil mares...
É alguém por quem a gente sabe que vale a pena viver...
Um amigo nem sempre diz sim, quando dizemos sim, e não, quando dizemos não.
Mas ele vai nos fazer entender com mais clareza aquilo que não conseguimos
entender sozinhos.
Um amigo é um bem precioso que não devemos deixar guardado numa caixinha
de jóias, para usá-lo quando precisamos, mas tê-lo sempre presente junto
a nós, mostrando ao mundo que riqueza mesmo é ter um verdadeiro amigo.
..........................................................


Amigos são flores...
Amigos são poemas...
Como flores, devem ser cultivadas com carinho e dedicação, para
que as tempestades da vida não esfacelem suas pétalas e para que
possamos ter seu perfume em todas as estações.
Como poemas, devem ser sentidos nas fibras mais sutis da alma, com
respeito e gratidão, para que sejam a melodia risonha a embalar nossas
horas em todos os períodos do ano.


IN: "Amigos são flores" e "Amigos são poemas",

Letícia Thompson

21 de novembro de 2010

Alma Serena





Alma Serena



Alma serena, a consciência pura,
assim eu quero a vida que me resta.
Saudade não é dor nem amargura,
dilui-se ao longe a derradeira festa.


Não me tentam as rotas da aventura,
agora sei que a minha estrada é esta:
difícil de subir, áspera e dura,
mas branca a urze, de oiro puro a giesta.


Assim meu canto fácil de entender,
como chuva a cair, planta a nascer,
como raiz na terra, água corrente.


Tão fácil o difícil verso obscuro!
Eu não canto, porém, atrás dum muro,
eu canto ao sol e para toda a gente.


Fernanda de Castro, in "Ronda das Horas Lentas"

(Poema dedicado a minha grande amiga Rosa)







19 de novembro de 2010

(RECOMEÇA SEMPRE)



Sísifo 


(RECOMEÇA SEMPRE)

 Recomeça...
Se puderes,
Sem angústia e sem pressa.
E os passos que deres
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.
E, nunca saciado
Vai colhendo
Ilusões sucessivas no pomar
Sempre a sonhar
E vendo
Acordado,
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde com lucidez, te reconheças.


Miguel Torga

18 de novembro de 2010

O meu Olhar Azul como o Céu

O Meu Olhar Azul como o Céu




O meu olhar azul como o céu

É calmo como a água ao sol.

É assim, azul e calmo,

Porque não interroga nem se espanta ...

Se eu interrogasse e me espantasse

Não nasciam flores novas nos prados

Nem mudaria qualquer cousa no sol de modo a ele ficar mais belo...

(Mesmo se nascessem flores novas no prado

E se o sol mudasse para mais belo,

Eu sentiria menos flores no prado

E achava mais feio o sol ...

Porque tudo é como é e assim é que é,

E eu aceito, e nem agradeço,

Para não parecer que penso nisso...)



Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XXIII"

Heterónimo de Fernando Pessoa

1 de novembro de 2010








Pelo Sonho é que vamos,
comovidos e mudos.
Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não haja frutos,
pelo sonho é que vamos.
Basta a fé no que temos.
Basta a esperança naquilo
que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
com a mesma alegria,
ao que desconhecemos
e ao que é do dia a dia.
Chegamos? Não chegamos?
Partimos. Vamos. Somos.

SEBASTIÃO DA GAMA