Seguidores

14 de junho de 2010

Deepak Chopra





Deepak Chopra - Sete Leis Espirituais do Sucesso

Este livro baseia-se em princípios budistas, que são explicados de forma muito didática e simples. Recomendo!

Breve Introdução

A lei consiste no processo pelo qual o não-manifesto se torna manifesto; toda a criação, tudo o que existe no mundo físico, constitui o resultado do não-manifesto transformando-se a si próprio em manifesto. Os três componentes da realidade - alma, espírito e corpo, ou observador, processo de observação e observado - constituem essencialmente a mesma coisa. Todos provêm do mesmo local: o campo da potencialidade pura, que pertence ao campo do não-manifesto puro. Quando compreendemos estas leis e as aplicamos nas nossas vidas, podemos criar tudo o que quisermos, porque as leis que a natureza aplica para criar uma floresta, uma galáxia, uma estrela, ou um corpo humano, são as mesmas que nos podem trazer a realização dos nossos mais profundos desejos.

1. A LEI DA POTENCIALIDADE PURA

Para praticar a Lei da Potencialidade Pura:

Pratico o silêncio, para Ser apenas.
Todos os dias reservo algum tempo para comungar com a natureza e para testemunhar em silêncio a inteligência que existe em todas as coisas vivas. Sento-me, em silêncio e contemplo o pôr do Sol, escuto o som do oceano ou de um rio, ou aspiro apenas o perfume de uma flor.

2. A LEI DA DÁDIVA

Para praticar a Lei da Dádiva:

Levo comigo uma oferta. A oferta pode ser um cumprimento, uma flor ou uma oração. Hoje vou oferecer qualquer coisa a todos aqueles com quem encontrar.
Hoje receberei com gratidão todas as dádivas que a vida me ofertar. A luz do Sol, o canto das aves.
Comprometo-me a manter a riqueza a circular na minha vida, dando e recebendo as mais preciosas dádivas da vida: dádivas de carinho, afecto, apreço e amor. Sempre que encontrar alguém, desejar-lhe-ei, em silêncio, felicidade, alegria e prazer.

3. A LEI DO “KARMA” OU DA CAUSA-EFEITO

Para praticar a Lei do Karma:

Hoje vou observar cada escolha que fizer. Trago-as para o campo do meu conhecimento consciente.
Sempre que fizer uma escolha, farei duas perguntas a mim próprio: “Que consequências advirão desta escolha?”, “Esta escolha trará realização e felicidade, a mim e aos que por ela serão afectados?"
Depois pedirei conselho ao meu coração e deixar-me-ei conduzir pela sua mensagem de conforto. Se a escolha significar conforto, adiro totalmente a ela. Se a escolha implicar desconforto, paro e observo as consequências da minha ação, por meio da minha visão interior.

4. A LEI DO MENOR ESFORÇO

Para praticar a Lei do Menor Esforço:
Hoje aceito pessoas, situações, circunstâncias e acontecimentos, tal como eles ocorrerem. Reconhecerei que este momento é aquilo que deveria ser, porque todo o universo é como deveria ser.
Sei que aceitar a responsabilidade significa não culpar ninguém, nem nada, pela minha situação (incluindo eu próprio). Também sei que em cada problema se encontra oculta uma oportunidade e o facto de me manter atento às oportunidades me permite aceitar o momento presente e torná-lo melhor.
Não sentirei necessidade de convencer nem de persuadir os outros a aceitarem os meus pontos de vista. Permanecerei aberto a todos os pontos de vista e não me prenderei com rigidez a nenhum deles.

5. A LEI DA INTENÇÃO E DO DESEJO

Para praticar a Lei da Intenção e do Desejo:
Faço uma lista de todos os meus desejos. Trago sempre comigo esta lista, para onde quer que vá. Leio sempre esta lista antes de entrar em silêncio e meditação. Também a leio antes de ir dormir, à noite. Volto a lê-la ao acordar de manhã.
Entrego e submeto esta lista de desejos ao movimento da criação, confiando que quando as coisas não parecerem conformes aos meus desejos há uma razão para isso e que o plano cósmico possui para mim desígnios ainda mais grandiosos do que aquilo que eu alguma vez imaginei.
Praticar o conhecimento do momento presente em todas as minhas acções.

6. A LEI DO DESPRENDIMENTO

Para praticar a Lei do Desprendimento:
Entro no campo de todas as possibilidades e antecipo a emoção que pode ocorrer se eu me mantiver aberto às escolhas.
Hoje vou praticar o desprendimento, a liberdade de sermos como somos. Não imporei ideias rígidas sobre como as coisas deveriam ser. Não forçarei soluções para os problemas, pois isso criaria novos problemas. Participarei em tudo com um envolvimento desprendido.
Hoje interiorizo a incerteza como um ingrediente essencial da minha experiência. A minha boa vontade para aceitar a incerteza fará com que as soluções surjam, espontâneas. Quanto mais incertas as coisas parecerem, mais seguro me sentirei, porque a incerteza é uma fonte inesgotável.

7. A LEI DO “DHARMA" OU DA FINALIDADE DA VIDA

Para praticar a Lei do Dharma:
1. Hoje vou dar toda a atenção e amor ao deus ou deusa em embrião que se oculta no mais fundo da minha alma.
2. Faço uma lista dos meus talentos especiais. Depois faço uma lista de todas as coisas de que gosto de fazer quando exprimo os meus talentos especiais.
Exprimindo os meus talentos especiais e utilizando-os a serviço da Humanidade, perco a noção do tempo e crio abundância na minha vida, assim como na vida dos outros.
3. “Como posso eu servir?” e “Como posso eu ajudar?”. As respostas a estas questões vão permitir-me ajudar e servir os outros seres humanos com amor.
A aplicação destas leis obedece a uma sequência natural que pode ajudá-lo a lembrar-se delas. A Lei da Potencialidade Pura pratica-se através do silêncio, da meditação, do não-julgamento, da comunhão com a natureza, mas é activada por meio da Lei da Dádiva. Aqui o princípio consiste em aprender a dar aquilo que deseja para si. Assim activa-se a Lei da Potencialidade Pura. Se deseja prosperidade, ajude os outros a serem prósperos; se procura dinheiro, dê dinheiro aos outros; se procura amor, apreço e afecto, aprenda a dar aos outros amor, apreço e afecto. Através das suas acções, quando aplica a Lei da Dádiva, activa a Lei do Karma. Pode criar um bom karma e um bom karma torna a vida fácil. Verá que não precisa despender grandes esforços para realizar os seus desejos, o que conduz logo à compreensão da Lei do Menor Esforço. Quando tudo parece surgir com facilidade e sem esforço e os seus desejos continuam a realizar-se, começa a perceber espontaneamente a Lei da Intenção e do Desejo. A realização dos seus desejos com um mínimo de esforço torna quase natural para si a prática da Lei do Desprendimento. Por fim, como começa a perceber todas as leis anteriores, passa a focalizar-se na sua verdadeira finalidade na vida, chegando assim à Lei do Dharma. Por meio da aplicação desta lei, em que exprime os seus talentos especiais e realiza as necessidades dos outros seres humanos, começa a poder criar tudo aquilo que quiser, sempre que quiser. Torna-se despreocupado e feliz e a sua vida passa a constituir a expressão do amor ilimitado.

(Seiji)
Ely

3 comentários:

  1. Porque me pedem para soltarem as amarras, quando alguém se sente preso?
    Bom texto amiga, parabéns.

    Beijinhos de Boa Semana. (^_^)

    ResponderEliminar
  2. Olá minha querida amiga, que bela analogia aqui tens, só dá vontade de levar comigo para todo o lado, para não me esquecer de um único passinho.
    Tens aqui um manancial de conselhos para melhor viver, verdadeiramente extraordinário.
    Muito obrigada amig@@@@@@@@@@@@@@@
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Meus queridos Amigos Martinho e Ana..
    Como seguidora da filosofia budista, quis deixar algumas breves dicas. Com base nos meus princípios, de forma resumida, duas linhas sobre o assunto. Entendo que o crescimento e desenvolvimento do Bem e do Amor estão espelhado nas acções de cada um de nós, que só uma boa consciência pode trazer mudanças interiores e globais. Nada nesta vida está desligado, tudo existe ligado e é interdependente. Todas as prisões são apenas os limites que cada um coloca a si mesmo, e todas elas se quebram quando entenderes, que tu não deixas de ser quem tu és, só porque as circunstâncias exteriores a ti, modificaram a tua realidade. Os imprevistos da vida, não servem para serem o limite do nosso Ser, mas para serem encaradas como novos desafios a serem vividos e ultrapassados. Acreditem, a vida são apenas momentos em que nos movimentamos, e por isso não vamos desperdiçar os momentos deste presente, porque ser-nos-á dada a conhecer uma forma de agir, e certamente mais tarde nos lembraremos que foi uma aprendizagem, e um obstáculo superado.
    NOTA: Sejamos sempre uma Dádiva para todos os que entram na nossa vida, também para todos em cujas vidas entramos!
    Um beijinho@@@
    Elly

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita e seu comentário, volte sempre. Beijinhos