Seguidores

21 de julho de 2010

O TEU MADRIGAL


Madrigal



Da Flor caiu a pétala da saudade
onde o orvalho perfuma requintado
as lágrimas da esperança sem idade
dos jardins do madrigal iluminado...

Tenho o Sol do poeta na escuridão
os beijos dourados na mão do luar
escondido está o coração da paixão
no sorriso que guarda cada olhar!

No perfume das palavras esvoaça
uma nuvem carregada de emoção
que desperta sem pressa a graça
dos beijos sonhados pelo coração....

Onde voa o silêncio em delicadeza
como a barca sem porto marcado
o seu cais é abrigo de suave beleza
onde cada estrela é o beijo desejado!

Elly





3 comentários:

  1. Oh minha querida Betinha...que bom vir aqui recarregar as baterias do coração. Estou a adorar a viragem que deste às palavras...sente-que que aqui o amor andar no ar e que é uma pessoa de bem com a vida que nos recebe....É sempre bom voltar.
    Parabéns amiguinha e obrigada pelas lindas mensagens que nos transmites.
    O meu Mu@@@@@@@@@@@

    ResponderEliminar
  2. Originalmente, “Madrigal”, do italiano Madrigale designava uma composição poética musical que constituiu um dos gêneros mais importantes da música profana, e que se tornou uma forma muito popular de música secular no século XVI, composto para expressar a poesia, em geral de caráter amoroso.

    Com o passar do tempo o termo Madrigal assumiu diversos significados, deixando de caracterizar apenas uma forma de expressão musical passando a designar também pequenos grupos vocais dedicado à prática da música, geralmente sem acompanhamento de instrumentos.
    O madrigal aborda assuntos heróicos, pastoris, e até libertinos. Por sua flexibilidade, que nenhuma outra forma musical havia até então oferecido aos músicos, assim como pela variedade dos textos sobre os quais se constrói, ele favorece a imaginação criadora e o lirismo de expressão.
    Alguns versos meus que os considero como libertinos:

    Quem dilacerou minhas vestes?
    Porque que no exato momento do meu êxtase, alguém me trancou no sótão da singularidade.
    Eu sou plural, sou multiplicação.
    Não me afastem da fartura, não me poupem dos meus acessórios da alegria.
    Sou uma ávida contemporânea, disciplinadora fugaz, simetricamente agindo, eu sou movimento intenso.
    Não me rotulem, não me coloquem à disposição, não me deem asas da incompreensão, porque decididamente, sou muito pertinaz.

    Cindy

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita e seu comentário, volte sempre. Beijinhos